Professores de projeto social no ES falam sobre a importância do Jiu-Jitsu na vida das crianças

Fernanda Mazzelli, Bruno Correia e Davson Gomes comandam projeto social da “ALAMG” em Guarapari

Com o objetivo de ensinar os princípios da arte suave para crianças carentes Fernanda Mazzelli iniciou há alguns anos um projeto social na cidade de Guarapari-ES. Atleta consagrada não só no Espírito Santo, como no Brasil, a lutadora contou posteriormente com a ajuda dos companheiros de treino Bruno Correia e Davson Gomes para dar continuidade a ação e atender um número maior de crianças e adolescentes.

Ações como essa não só ajudam a tirar os jovens das ruas, como também podem formar atletas de alto nível para a modalidade no futuro:

— Um projeto como esse muda a vida de uma criança, através da dedicação, da disciplina, e de um exemplo positivo, lá eles podem ter os professores como exemplos de vida, de superação e claro, de dedicação. Além de ser muito gratificante ver eles medalhando, a gente sempre fala que é o resultado de todo um trabalho. Quando eles vencem vemos que eles estão realmente aprendendo e se desenvolvendo, isso é muito importante. Também podemos ver algum tipo de erro e tentar corrigir no futuro, ensiná-lo quando voltar a treinar. Ficamos muitos felizes de ver o resultado dessas crianças desde o início do projeto — declarou Mazzelli.

O projeto ainda está retomando as atividades depois de ser fechado temporariamente devido a pandemia imposta pelo novo coronavírus. Ansiosos para voltar aos treinos, muitos desses jovens do projeto já estão de destacando no Espírito Santo, somando títulos tanto nas categorias infantis, quanto juvenis, como é o caso de Gian Lucas, os irmãos Mateus e Maria Fernanda Vitoraci, e Guilherme Nascimento, dentre outros.

Bruno Correia, um dos professores do projeto, falou sobre a sensação de passar um pouco do seu conhecimento e poder ajudar a mudar a vida dessas crianças:

— A sensação é de que o trabalho está sendo bem feito. Para nós professores não tem coisa melhor. Como é um projeto de uma arte marcial, ajuda muito na questão da disciplina em casa, na escola, e também no dia a dia em diversas situações de convívio— enfatizou o faixa-marrom.

Principal idealizadora, Fernanda tem a experiência de inúmeros campeonatos nacionais e internacionais. Campeã brasileira na faixa-preta em 6 oportunidades e do mundo por 3 vezes, a lutadora sabe muito bem os sacrifícios que é preciso desde jovem para chegar ao mais alto nível.

Davson Gomes é um dos professores do projeto (Foto: Arquivo pessoal)

Faixa-marrom, Davson Gomes falou exatamente sobre a importância de começar na arte marcial ainda jovem para assim ser lapidado da melhor maneira possível nos tatames, além do incentivo necessário para o projeto se manter vivo:

— Com certeza! Quanto mais novo ela começa, mais conhecimento ela adquire! Além de um melhor entendimento da modalidade ela vai evoluir muito nas condições físicas e motoras e inclusive psicológica que é o nosso maior inimigo na hora das competições. Já sobre o incentivo, o apoio dos pais é muito importante, além da comunidade que também é indispensável. As vezes lutamos dentro e fora dos tatames para levarmos os alunos as competições, um apoio maior da prefeitura seria bacana já que o nosso trabalho é voluntário, então qualquer ajuda que vier é bem vinda — disse o também projeto do projeto, Davson Gomes.

Apesar das restrições da pandemia cada vez menores, a expectativa é que os alunos possam voltar às competições apenas no próximo ano. Dessa forma podem evoluir e vir a ser grandes representantes não só do Espírito Santo, como do Brasil no Jiu-Jitsu internacional.