Fundadora de ONG no Guarujá, Aletânia Oliveira, é influencer digital e referência no mundo da moda

A criadora de conteúdo digital Aletânia Oliveira, referência no universo fashion na internet, tem se dedicado ao social através do Projeto Alimentando o Bem, que tem auxiliado famílias carentes da baixada santista durante a pandemia da covid-19.


Muitas famílias foram atingidas pela pandemia do novo coronavírus, seja devido à emergência de saúde ou por causa da crise financeira que abateu milhões de brasileiros como consequência da pandemia, devido ao encerramento das atividades comerciais, o lockdown e a quarentena, apontadas pela Organização Mundial da Saúde como medidas efetivas e necessárias para conter o avanço da covid-19. 

Em meio à pandemia a influenciadora digital e referência no mundo da moda Aletânia Oliveira tem buscado sair da sua zona de conforto e encontrar meios de ajudar famílias que estão passando por situação de falta de recursos e alimentos em uma comunidade carente do litoral sul de São Paulo, no Guarujá: “Eu tenho a minha casa em um condomínio de luxo na praia de São Pedro, no Guarujá. Embora eu viva numa casa confortável e esteja fazendo a minha quarentena nela, entristece muito o meu coração ver logo ao lado de mim, onde há uma comunidade carente chamada Perequê, que muitas pessoas que estão até passando fome por causa da pandemia. Pessoas que viviam do sustento que tiravam da praia e agora com o esvaziamento, necessário para conter a covid-19, estão sem trabalho. Muitos funcionários do condomínio são de lá e faziam bicos como copeiros, cozinheiros, jardineiros para complementar a renda familiar, mas agora com a pandemia deixaram de serem contratados e estão vivendo dias muito difíceis. Eu não poderia ver tudo isto e ficar indiferente, seria desumano”, revela.

 




Projeto Alimentando o Bem 
A influenciadora digital tem metas maiores para o projeto: “não queremos apenas servir marmita, mas tornar isto em um projeto social mais abrangente. Hoje, com a  divulgação nas redes sociais temos tido boa aceitação e assim podemos atrair pessoas para colaborarem com o projeto. Eu este ano vou organizar um bazar beneficente e a Emar está fazendo jóias em colaboração com artesãos locais que serão vendidas para arrecadar dinheiro para o projeto. Estamos todos nos movimentando para ir além e poder ajudar mais estas pessoas.” 


Educação como arma contra a violência e as drogas
O entorno da comunidade do Perequê tem enfrentado uma onda de violência, tráfico de drogas e assalto, o que também é, segundo a visão de Aletânia, uma consequência da falta de oportunidades de emprego e renda: “com o projeto também visamos conseguir dar oportunidades para os jovens adolescentes do Perequê. Não há empregos na região e por esse motivo muitos jovens infelizmente são captados e recrutados pelo tráfico de drogas, o que faz com que a região tenha até mesmo experimentado um aumento da violência e dos assaltos. Queremos ajudar esses jovens, que estão envolvidos nas drogas e no crime, dando uma oportunidade para saírem da marginalidade, através de cursos de capacitação e geração de empregos locais.