Praia e piscina requerem atenção especial para a região íntima feminina

Viajar é sempre uma experiência renovadora e a maioria das mulheres adora quando os destinos envolvem praia ou piscina. Mas para elas o “antes” e “durante” envolve alguns cuidados que vão além da depilação e hidratação da pele e cabelos. É importante cuidar da região íntima para evirar problemas e incômodos.

A Dra. Fernanda Torras, ginecologista, obstetra e mastologista, explica que é comum receber mulheres no consultório que voltam de viagem reclamando de corrimentos e coceiras: “Viagens a locais de clima tropical, é muito frequente a manifestação de infecções vaginais fúngicas (Candidíse), que apresenta corrimento de cor leitosa e com bastante coceira e irritação, e infecção de vulva (Tinea Cruris), que confere coloração escura das virilhas e, às vezes, acompanhada de coceira”. 

Isso ocorre, pois os fungos sobrevivem e se proliferam em ambientes quentes e úmidos, e biquínis molhados por longo período são um prato cheio. Outros fatores que também contribuem muito são: sentar direto na areia, mudança alimentar que normalmente envolve maior ingestão de açúcares e carboidratos, mudança de ph vaginal, às vezes pela própria água local.

Para evitar esses problemas, Dra Fernanda dá dicas simples e fáceis: “É importante sempre ter em mãos uma troca de biquíni e evitar longos períodos com calcinha úmida. Após a praia ou piscina, tomar banho utilizando sabonete líquido de ph neutro, usar calcinha de algodão e roupas leves como vestidos e saias”, diz.

Outro dilema para as mulheres é quando a viagem é marcada bem durante o período menstrual. Sempre surge a pergunta se é possível atrasar ou bloquear a menstruação e a resposta é SIM, caso a mulher já faça uso de anticoncepcional. De acordo com a Dra. Fernanda, é possível emendar cartelas: “O ideal é fazer o uso ininterrupto por até 3 meses. Já nos casos de ciclos menstruais naturais, sem uso de contraceptivos, é muito difícil postergar a menstruação ou mesmo pular o ciclo menstrual”.

Para ir à praia ou piscina menstruada, é necessário prestar atenção e escolher corretamente a roupa de banho, evitando cores claras e calcinhas cavadas. É indicado o uso de absorvente interno ou coletor menstrual para evitar possíveis “acidentes”: “É incomum haver sangramento na água, pois a pressão impede os vazamentos, mas logo após, ele pode ocorrer. Portanto, se existe fluxo, devem ser utilizados os métodos acima. E quando sair da água o absorvente interno deve ser trocado”, orienta.

Essas dicas simples com certeza vão evitar que seu lazer se transformar em um pesadelo.

Quer saber mais? Assista o vídeo da Dra. Fernanda Torras sobre corrimentos: https://www.youtube.com/watch?v=yMkbCqddRg4