No Brasil, muitas mulheres são machistas, diz analista comportamental, Andrea Murgel

Em primeiro lugar, o machismo é um comportamento que considera os homens superiores às mulheres. As pessoas confundem com feminismo, gentileza e educação.

Para escrever sobre esse assunto, a escritora e analista comportamental Andrea Murgel resolveu interrogar algumas mulheres em sua academia e gravar para ouvir depois.

A pergunta principal foi: “Você se considera machista?”

E para sua surpresa, quase todas disseram que se acham um pouco machistas, inclusive eu.
“Todas nós confundimos o fato de não sermos feministas ao extremo e de termos sido educadas com gentileza e educação masculina e, por isso, desejarmos esse tipo de tratamento por parte do homem”, fala.

“Acredito que isso não ter nada a ver com machismo, mas, por outro lado, se julgamos outras mulheres por seu comportamento ou vestimenta, isso é machismo”, completa.
Conclusões:

Se as mulheres praticamente criam suas filhas para lavar louça enquanto os homens da casa ficam assistindo tv, isso é machismo. Se a mulher se sente na obrigação de cozinhar, lavar, passar, ter filhos sem ajuda, isso é um tremendo machismo oriundo do tempo da escravidão.

A mulher precisa se auto apoiar, se unir em benefício próprio, e não disputar entre si.
Nós somos capazes, inteligentes, conquistamos tanto e não podemos parar por aqui.

Sou machista ou feminista?

Ou, sou apenas uma mulher que se orgulha de si e que gosta da conquista, dos olhares e da gentileza masculina e está em plena evolução de vida tentando não cair na vulgaridade humana?
Avante mulheres!
A vida precisa ter equilíbrio em todos os comportamentos.
Andrea Murgel

Andrea Murgel

Ex-empresária e hoje escritora e analista comportamental, Andrea Murgel encontrou o significado da palavra “renascimento” em suas diversas facetas. No auge da sua satisfação pessoal, profissional e afetiva, em uma armadilha do destino, a bem-sucedida empresária passou por uma enorme perda e precisou encontrar um caminho para redescobrir o sentido da própria vida e assim conheceu aos poucos suas missões e transformações pessoais. Hoje, o livro Mariposa Azul virou um best-seller e Andrea trilhou um grande caminho através de palestras, entrevistas, textos para colunas e revistas e se tornou uma referência nacional através de sua simplicidade e amor ao próximo. Hoje sua maior alegria é escrever e como terapeuta poder ajudar as pessoas a se transformarem e se auto conhecerem para obter uma vida mais feliz.