Chuvas e enchentes deixam cidades em alerta no interior de SP

Alguns rios de cidades paulistas transbordaram após forte chuva desta quarta-feira

As chuvas intensas que atingem o interior elevaram o nível de rios e causaram inundações, nesta quarta-feira (18) deixando populações ilhadas e cidades em estado de alerta. Em Piracicaba, um temporal transformou em rios as principais avenidas da cidade. Os bombeiros foram acionados para resgatar pessoas presas em carros, no meio da correnteza, nas avenidas Independência e 31 de março. Alguns veículos foram arrastados pela enxurrada, mas ninguém se feriu.

À tarde, a vazão do Rio Piracicaba, que corta a área urbana, atingiu 470 metros cúbicos por segundo e entrou em estado de emergência, com alguns pontos de transbordamento. Moradores da região do Beira-Rio foram postos em alerta pela Defesa Civil, mas até o fim da tarde permaneciam nas casas. De acordo com a rede de telemetria do Consórcio das Bacias do Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), a vazão dobrou em menos de 24 horas.

Em Sorocaba, a chuva transformou em rio parte da avenida Três de Março, na zona leste. Carros que tentaram transpor o trecho entraram em pane e tiveram de ser guinchados. O Rio Sorocaba transbordou na altura do Parque das Águas e a Avenida 15 de Agosto teve um trecho interditado. Uma árvore caiu e interditou uma rua no Jardim Santa Rosália. O muro de um condomínio desabou no Jardim do Paço.

Em Campinas, o Rio Atibaia saiu do leito no Distrito de Sousas e invadiu ruas e casas. A vazão chegou a 140 m3 por segundo. Os moradores do Beco do Mokarzel e comerciantes da Praça São Sebastião foram alertados para colocarem os móveis a salvo. De manhã, algumas casas ainda estavam alagadas, mas o nível do rio baixava. Na região, oito cidades entraram em estado de alerta por causa das chuvas.

 

 

fonte: http://noticias.r7.com/sao-paulo/chuvas-e-enchentes-deixam-cidades-em-alerta-no-interior-de-sp-18012017-1

Motoristas de SP com carros de placa final 9 têm até hoje para pagar IPVA com desconto

Motoristas que efetuarem o pagamento à vista têm desconto de 3%

Imposto pode ser pago em terminais de autoatendimento, internet ou agências bancárias.

Os proprietários de veículos com placa final 9 registrados no Estado de São Paulo têm até esta quinta-feira (19) para pagar o IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) referente ao ano de 2017 com desconto. Os motoristas que optarem pelo pagamento integral na data de hoje serão beneficiados com uma isenção de 3%.

O pagamento com desconto para os donos de automóveis com placa final 0 vale até amanhã (20), último dia do calendário com um dia específico para cada final de placa (confira a tabela completa abaixo).

O IPVA 2017 pode ser quitado de três maneiras: à vista com desconto (janeiro); à vista sem desconto (fevereiro) ou em três parcelas, entre os meses de janeiro e março.

SP: Tire suas dúvidas sobre o pagamento do IPVA 2017

Os interessados em pagar o imposto devem se dirigir a uma agência bancária credenciada e levar o número do Renavam (Registro Nacional de Veículo Automotor) para o pagamento.

A quitação pode ser feita nos terminais de autoatendimento, guichê de caixa, pela internet ou débito agendado e até mesmo em outros canais oferecidos pela instituição bancária. As casas lotéricas também podem ser usadas para pagamento do IPVA, porém, essa opção não é válida para quitação do licenciamento.

 

 

fonte: http://noticias.r7.com/economia/motoristas-de-sp-com-carros-de-placa-final-9-tem-ate-hoje-para-pagar-ipva-com-desconto-19012017

Bebê de sete meses é levado por assaltantes após roubo de carro em São Caetano do Sul

Depois da perseguição ao veículo, a criança foi entregue aos pais sem nenhum ferimento

Um bebê de apenas sete meses foi levado dos pais (foto) por assaltantes durante uma perseguição que terminou com um detido na cidade de São Caetano do Sul, na região do ABC, no fim da noite desta quarta-feira (18).

Os pais da bebê Emily estavam em frente à casa dos tios. A menina de sete meses já tinha sido colocada dentro do carro e os pais estavam em pé, na calçada, se despedindo, quando os ladrões chegaram e anunciaram o assalto.

Naquele mesmo instante, passou uma viatura da Polícia Militar. Quando viram os policiais, os suspeitos entraram no carro e foram embora, levando a bebê. A mãe tentou tirar a filha e chegou a ser arrastada.

As viaturas perseguiram os suspeitos. A fuga durou 15 minutos e terminou quando eles entraram em uma rua sem saída, em São Caetano do Sul.

Os policiais não chegaram a atirar contra o carro, pois se preocuparam com o bem estar da menina.

Depois de abandonar a bebê, os suspeitos pularam um muro. Um deles conseguiu fugir, mas Kauê de Brito, de 19 anos, invadiu uma casa e fez duas irmãs reféns.

Segundo o delegado do caso, ele ligou para a mãe dele e ela tentou enganar os policiais que cercavam o quarteirão em busca dele. De acordo com a polícia, ela tentou se passar por moradora, mas foi desmascarada.

O jovem já tinha passagens por roubo, receptação e porte de arma. Com ele, a polícia encontrou uma pistola calibre 380. Os pais da menina moram nos Estados Unidos e vieram passar férias no Brasil.  O carro que eles estavam é blindado e foi emprestado por amigos.

Fonte: http://noticias.r7.com/sao-paulo/fotos/bebe-de-sete-meses-e-levado-por-assaltantes-apos-roubo-de-carro-em-sao-caetano-do-sul-19012017#!/foto/1

Justiça nega novo pedido do governo de SP para aumentar tarifa do transporte

De acordo com o governo, com a manutenção da decisão que proibiu o reajuste, o impacto financeiro será de R$ 220 milhões

Tarifa da integração, que havia passado para R$ 6,80, continua a custar R$ 5,92

A Justiça negou nesta quinta-feira (18) um novo pedido do governo do estado de São Paulo para suspender a liminar que impede o reajuste das tarifas de trem e metrô nos bilhetes integrados. Na decisão, o desembargador Spoladore Dominguez, da 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo, sustenta que não há risco de dano grave irreparável e prejuízo ao erário que justifique a elevação das tarifas.

“O alegado prejuízo ao estado (R$ 404 milhões, apenas no exercício de 2017) não se consolidará, de forma imediata, a curto prazo; diferentemente do que, a priori, ocorrerá com a parcela dos usuários, que serão diretamente afetados pelo reajuste tarifário (23,86% dos usuários do Metrô; e 19,68% dos usuários da CPTM)”, disse Spoladore Dominguez em sua decisão.

Esse foi a segunda vez que o governo paulista tentou, sem sucesso, reverter a liminar do juiz Paulo Furtado de Oliveira Filho, de 6 de janeiro, que suspende o reajuste das tarifas. Na primeira tentativa, em 10 de janeiro, o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Paulo Dimas Mascaretti, também manteve a liminar.

 O mérito do agravo de instrumento ainda será julgado, sem data definida, com a participação de mais dois desembargadores na votação. A tarifa da integração, que havia passado para R$ 6,80 no último dia 8, continua, até o julgamento final, a custar R$ 5,92.

A reportagem não conseguiu contato com assessoria de imprensa do governo de São Paulo para comentar a nova manutenção da liminar. Anteriormente, a STM (Secretaria dos Transportes Metropolitanos) defendeu que “o atendimento da ordem liminar impacta financeiramente de forma drástica e prejudicial o sistema de transporte e os cofres do governo do estado”. De acordo com o governo paulista, com a manutenção da decisão que proibiu o reajuste, o impacto financeiro em 2017 será de R$ 220 milhões.

fonte: http://noticias.r7.com/sao-paulo/justica-nega-novo-pedido-do-governo-de-sp-para-aumentar-tarifa-do-transporte-19012017

Empresa fundada por Doria pede verba para palestra de prefeito, diz jornal

Executivos que pagaram cota de R$ 50 mil poderão se sentar à mesa principal com o gestor

 

O Lide, empresa fundada pelo prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), pediu na semana passada contribuição de empresários para financiar um almoço-debate com líderes empresarias no hotel Grand Hyatt que terá uma palestra de Doria. A informação foi divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo nesta quinta-feira (19), que teve acesso a um dos e-mails enviados pelo Lide solicitando o financiamento. A empresa é conhecida por pedir esse tipo de contribuição a empresas para organizar eventos com políticos.
De acordo com a publicação, o almoço com Doria está previsto para o dia 6 de março e o tema da palestra será: “O impacto de uma gestão eficiente na cidade de São Paulo”. Conforme o e-mail, os presidentes das empresas que pagarem uma cota de “copatrocínio” de R$ 50 mil terão o direito de se sentar à mesa principal com Doria.

Ainda segundo a matéria, o Lide não informa quantas são as cotas de patrocínio destinadas ao almoço com Doria e nega que haja conflito de interesse já que o prefeito não tem mais ações da empresa. Questionada, a assessoria de imprensa da Prefeitura de São Paulo afirma que não há nenhuma restrição para que Doria faça palestras em evento promovido por empresas ou entidades.

 

Fonte: http://noticias.r7.com/sao-paulo/empresa-fundada-por-doria-pede-verba-para-palestra-de-prefeito-diz-jornal-19012017

 

‘Super Mario Run’ será liberado para celulares Android em março

Primeiro iniciativa da Nintendo para smartphones, game foi liberado até agora apenas para iPhones.

A Nintendo anunciou nesta quarta-feira (18) que o game “Super Mario Run” será liberado para aparelhos que Android em março deste ano. Até agora, o jogo, que marca a entrada de um dos personagens mais famosos do mundo dos jogos a smartphones, funcionava apenas em iPhones.

A Nintendo não detalhou em qual dia ocorrerá o lançamento para celulares com o sistema do Google.

O jogo feito pela Nintendo e sob supervisão de Shigeru Miyamoto, criador da dupla Mario Bros., pode ser baixado de graça, mas sua versão completa custa US$ 10 (cerca de R$ 34) nos iPhones. Ele roda em dispositivos que tenham ao menos a versão iOS 8 do sistema operacional da Apple.

Anunciado junto dos novos iPhones 7, em evento da Apple em setembro, “Super Mario Run” é a “estreia de verdade” da Nintendo nos games para celulares. A empresa até lançou em 2016 “Miitomo”, app em que os jogadores usam os avatares Miis para interagir com amigos. Mas é com o seu principal mascote que a companhia japonesa testa se é capaz de criar um novo fenômeno em dispositivos móveis.

 Fonte: http://g1.globo.com/tecnologia/games/noticia/super-mario-run-sera-liberado-para-celulares-android-em-marco.ghtml

Mais afetados pela crise, jovens deixam aluguel e voltam a morar com os pais

Número de imóveis residenciais alugados no país caiu pela primeira vez em 12 anos. Economista lembra que morar de aluguel no Brasil ‘é luxo’.

Júlia Melo tem 24 anos e é estudante. Marília Muller tem 28 e é professora de filosofia. Já Rosana Brandão, 30 anos, é engenheira civil. Elas moram em Estados diferentes e nem se conhecem. Mas têm uma história em comum: as três tiveram de abrir mão do apartamento alugado e voltar para a casa dos pais diante da crise econômica.

O número de imóveis alugados caiu pela primeira vez no ano de 2015, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) divulgados no fim de 2016 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A queda de 2,04% entre 2014 e 2015 interrompe uma sequência de crescimento no volume de casas alugadas entre 2004, início da série histórica, e 2014. Nesse período, o Brasil registrou um aumento de 54,6% no total de imóveis alugados.

“Essa queda pode ser em função da aquisição de novas moradias, mas pode ser também porque pessoas entregaram as casas em que viviam de aluguel para morar com outras, como os pais, por exemplo, que têm casa própria”, sugeriu a gerente da PNAD, Maria Lúcia Vieira.

Vendas de imóveis em baixa

Os números do mercado imobiliário indicam que as vendas estão em baixa e reforçam a segunda opção apontada pela pesquisadora do IBGE.

Dados da Comissão da Indústria Imobiliária, da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CII/CBIC), mostram que venda de imóveis residenciais novos caiu 7% entre janeiro e setembro de 2015 em relação ao mesmo período anterior. Em 2014, a retração nas vendas havia sido ainda maior: 28% na comparação com 2013.

Entre 2014 e 2015, também caiu o número de novas contratações de financiamento habitacional. De acordo com a Caixa Econômica Federal, a queda foi de 6,4%. Já o número de liquidação de contratos caiu 8,32% no mesmo período.

Volta para casa

Para especialistas no setor imobiliário, a hipótese mais provável é que quem deixou o aluguel tenha passado a morar com quem tem casa própria.

“Pessoas desempregadas ou com redução de renda optam por devolver ou não renovar seus alugueis para voltar para a casa dos pais ou dividir uma moradia com mais pessoas”, destacou o presidente do portal ZAP, Eduardo Schaeffer.

“Tem muita gente entregando chave de imóvel para ir morar com os pais, com familiares. No Rio de Janeiro, a gente tem um recorde de entrega de imóveis de aluguel, principalmente depois das Olimpíadas”, afirmou o vice-presidente do Sindicato da Habitação no Rio (Secovi Rio), Leonardo Schneider.

Schneider enfatizou que, devido à recessão econômica no país, há “baixa confiança da população de se comprometer com contratos, mesmo que de aluguel, que geralmente têm prazo mínimo de 30 meses, o que é um período longo para um momento de incertezas”.

Medo do desemprego

A engenheira civil Rosana Gouveia Brandão, 30 anos, temia ficar desempregada e abriu mão do seu apartamento para voltar a morar com a família na Zona Norte do Rio em maio do ano passado. Por três anos ela dividiu apartamento com uma amiga na Zona Sul, mais perto do trabalho.

Ao perceber o cenário de crise e identificar que havia possibilidade de ser demitida da construtora na qual trabalhava, Rosana voltou para a casa da mãe. Foi demitida dois meses depois. Conseguiu trabalho temporário no fim do ano, mas começou 2017 desempregada.

Voltar a morar de aluguel está fora dos planos de Rosana. “Estou fazendo uma certa reserva, por não saber como vai ser o futuro. De repente, poderei até tentar comprar um imóvel para fugir do aluguel, que está com preço absurdo”, destacou.

Jovens são os mais afetados

Os dados do IBGE mostram que a população jovem é a que mais tem sofrido os impactos da recessão econômica. “Os jovens foram e continuam sendo as principais vítimas da crise. Eles estão perdendo muita renda. Nos últimos 12 meses, a perda para a faixa etária de 20 a 29 anos foi de 16%”, afirmou o economista e diretor da FGV Social, Marcelo Neri.

O pesquisador destacou ainda que o desemprego, que atingiu no ano passado as maiores taxas desde 2012, afeta com mais peso a população mais jovem do país. Segundo os dados da PNAD Contínua, enquanto a taxa geral de desocupação no país foi de 11,8% no 3º trimestre de 2016, entre os jovens de 18 a 24 anos ela chegou a 25,7%.

Por conta deste cenário, Marcelo Neri também aponta a volta dos jovens para a casa dos pais como uma das hipóteses mais prováveis para explicar a queda do volume de casas alugadas. “Porque eles [os jovens] são os grandes perdedores nos últimos anos”, enfatizou.

O economista Marcelo Neri ponderou que o aluguel é “um luxo” no Brasil. “O pobre mora em casa própria – mesmo que precária, sem registro legal de posse e com pouco acesso a serviços básicos, mas própria. Quem pode morar em imóvel alugado é quem tem renda.”

Sem emprego e renda

Foi quando perdeu seu emprego que a professora de filosofia Marília Muller decidiu deixar Florianópolis e voltar para a casa da mãe, em Santa Cruz do Sul, interior do Rio Grande do Sul. Havia oito anos que ela morava de aluguel longe da família. Mesmo dividindo a casa com outras pessoas, o gasto com moradia comprometia cerca de 40% do seu orçamento mensal.

“Voltei a morar com minha mãe porque fiquei sem emprego. Sem dúvida, vivo melhor agora. Consigo viajar mais e trabalhar menos”, disse Marília. Questionada se pretende voltar para o aluguel, ela diz que, por hora, não. “Caso tenha que me mudar por conta de trabalho, será inevitável [voltar para o aluguel]”, disse.

Fonte: http://g1.globo.com/economia/noticia/mais-afetados-pela-crise-jovens-deixam-aluguel-e-voltam-a-morar-com-os-pais.ghtml

Após reintegração de posse, barracos começam a ser demolidos na Zona Leste de SP

Moradora de terreno no Jardim Colonial diz que não tem para onde ir. Coordenador do MTST foi detido durante a reintegração de posse.

 

A demolição dos barracos instalados em um terreno particular no Jardim Colonial, na região de São Mateus, na Zona Leste de São Paulo, começou no início da tarde desta terça-feira (17), depois que a Justiça determinou a reintegração de posse do local. A Tropa de Choque da Polícia Militar foi chamada e entrou em confronto com os moradores. Cerca de 700 famílias e 3 mil pessoas moravam no local.

Dois integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos e José Ferreira Lima, foram detidos e encaminhados ao 49º DP (São Mateus). Segundo a PM, a dupla foi detida acusada de participar de ataques com rojão contra a polícia, incitação à violência e desobediência.

Por volta das 7h, os moradores acompanhados por Boulos pediram para os oficiais de Justiça aguardarem a análise do pedido do Ministério Público de suspensão da ação de reintegração de posse, mas não conseguiram. Às 8h20, a Polícia Militar avançou. Bombas de gás lacrimogêneo e gás de pimenta foram usados na ação.

Os moradores da comunidade colonial disseram que foram notificados há uma semana por um oficial de Justiça e tentaram resistir com barricada na Rua André de Almeida. O terreno é de propriedade particular e cerca de 6 mil pessoas vivem há um ano e meio no local. Os tratores usados para remover os barracos são dos proprietários dos terrenos, segundo a Prefeitura.

 “Quem não tem para onde ir fica na rua”, disse uma moradora após a reintegração de posse.
Por meio de nota, a Secretaria da Segurança Pública informou que “a PM atendeu ao pedido para apoiar os oficiais de Justiça no cumprimento da reintegração de posse em dois terrenos em São Mateus”.

“Após tentativa de negociação dos oficiais com as famílias, sem acordo, os moradores resistiram hostilizando os PMs, arremessando pedras, tijolos, rojões e montando três barricadas com fogo. Um policial militar ficou ferido de leve por uma bomba caseira, e duas viaturas do Choque foram danificadas. A PM agiu para garantir o cumprimento da ordem judicial”, diz o texto.

A Prefeitura de São Paulo informou, por meio de nota, que os moradores da ocupação Colonial devem se inscrever para programas de moradia nos postos de atendimento da Cohab (Prefeitura Regional Cidade Tiradentes, na Rua Juá Mirim S/N – Cid. Tiradentes, e Central de Atendimento Habitacional, na Av. São João, 299 – Centro) ou pela internet.

  

Fonte: Fonte: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/apos-reintegracao-de-posse-barracos-comecam-a-ser-demolidos-na-zona-leste-de-sp.ghtml

TCM questiona Prefeitura de SP sobre qualidade dos serviços tapa-buracos

Prefeitura gasta R$ 500 mil por dia para tapar buracos e número de funcionários que trabalham nesses reparos caiu pela metade, diz tribunal.

O Tribunal de Contas do Município (TCM) questionou a Prefeitura de São Paulo pela terceira vez sobre a qualidade dos serviços de tapa-buracos, informou o Bom Dia São Paulo desta quarta-feira (18).

A Prefeitura gasta R$ 500 mil por dia para tapar buracos, de acordo com o TCM, o número de funcionários que trabalham nesses reparos caiu pela metade do primeiro para o segundo semestre de 2016 e o serviço será refeito em diversas Prefeituras Regionais.

Em novembro, o TCM divulgou um ensaio técnico que reprovou mais de 70% do serviço da operação tapa buraco. O serviço tem que ser refeito nas oito Prefeituras Regionais que passaram por auditoria e vai fazer auditoria em outras onze.

O Tribunal de Contas pergunta à Prefeitura quais ações estão sendo implementadas para a regularização dos serviços de tapa-buracos, qual será a nova forma de pagamento do serviço, a quantidade de equipes em ação e a quantidade de concreto asfáltico produzida nas usinas da Prefeitura no ano passado e neste ano.

As questões foram publicadas no Diário Oficial desta terça-feira (17) e a Prefeitura terá 15 dias para prestar os esclarecimentos.

Fonte: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/tcm-questiona-prefeitura-de-sp-sobre-qualidade-dos-servicos-tapa-buracos.ghtml

Falta de iluminação prejudica travessia da passarela provisória de Congonhas

Estrutura foi instalada há um ano e três meses para substituir temporariamente outra plataforma que também oferecia más condições aos pedestres.

A falta de iluminação prejudica a travessia da passarela que passa sobre a Avenida Washington Luís e que dá acesso ao Aeroporto de Congonhas, informou o Bom Dia São Paulo desta quarta-feira (18). A passarela foi instalada há um ano e três meses para substituir provisoriamente outra plataforma que também apresentava más condições aos pedestres.

Um vídeo gravado por um cinegrafista amador mostra os riscos que os pedestres enfrentam à noite e de manhã cedo. “Olha a escuridão na passarela de Congonhas. Quem enxerga os degraus para descer?”, questiona.

Os degraus são escorregadios, pretos, cobertos por uma camada de borracha, e os pedestres contam apenas com a iluminação pública da Avenida Washington Luís, que acaba clareando alguns trechos da travessia.

Histórico
No dia 8 de outubro de 2015, a estrutura provisória foi inaugurada, após técnicos da Secretaria de Coordenação das Subprefeitura apontarem que a passarela Comandante Rolim Amaro oferecia riscos aos pedestres.

A estimativa era de que ela operasse por seis meses até a construção de uma nova passarela definitiva, contudo, não há sinais de ficará pronta em breve.

O local é muito acessado pelos pedestres que pretendem cruzar a avenida ou chegar ao aeroporto. Para chegar ao seu destino, o pedestre enfrenta 46 degraus, muitas vezes com bagagens, e realiza a travessia por uma plataforma temporária que já apresenta sinais de deterioração e necessidade de manutenção.

A Associação Amigos da Passarela, que reúne empresários e comerciantes da região, manifestou interesse em fazer construir uma passarela definitiva e coberta, mas informou que não conseguiu arrecadar o suficiente.

A Secretaria das Prefeituras Regionais disse que a gestão anterior não renovou o contrato com a empresa encarregada por fazer a manutenção da passarela e que a Secretaria de Obras e Serviços vai assumir este tipo de serviço.

A Prefeitura disse ainda que vai retomar contato com a iniciativa privada para a construção da nova passarela e que uma equipe do Departamento de Iluminação Pública (Ilume) vai vistoriar a iluminação do local.

Fonte: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/falta-de-iluminacao-prejudica-travessia-da-passarela-provisoria-de-congonhas.ghtml